segunda-feira, 14 de maio de 2012

Feliz dia, todos os dias.

Feliz dia, todos os dias. Dar um feliz dia das mães para quem está perto dos seus filhos é redundante. Estar perto de quem a gente ama, já faz nossos dias felizes. Simples assim. E estar perto do seu coração, acalma a alma e nos faz sentir a mulher mais feliz do mundo. Sim, porque os filhos, já disseram por aí, são como o nosso coração fora do corpo. E o meu dia das mães foi cansativo sim, não poderia ser diferente. Com 3 crianças pequenas, meu marido trabalhando fora o dia todo, o jeito (e feliz jeito), foi ter a minha mãe por perto nesse dia pra dar uma força. (e que força! porque força de mãe não é fraca não, obrigada mãe!) Não faço nenhuma questão de presente comprado nesse dia. Na verdade, não faço questão em dia nenhum. O que me deixa mais feliz da vida é ganhar presente feito. E nesse dia das mães ganhei uma linda sacola pintada pelo Levi, na escola, e uma caixinha toda arrumada e um leque de papel do Theo, (a caixinha ele pegou de um jogo do vídeo game, rá.), e muitas gracinha novas da nossa pequena Gaia de 8 meses. Mas esse texto não é pra contar como foi o meu dia, mas é pra desejar um feliz todos os dias para as mães que não estão com o seu coração por perto. Para as mães que estão com o seu coração no céu, no hospital, numa cidade longe ou em outro país...para essas mulheres fortes e guerreiras que fazem parte da minha vida e que não desistiram da vida, mesmo quando uma parte sua se foi junto com o seu coração. É por essas mães, (que várias são minhas amigas), que rezo hoje e sempre. E que reverencio pela sua força, fé e amor. Porque não existe nada maior nesse plano terrestre do que o amor de uma mãe. E a dor de estar longe do seu coração. E uma mãe que está sem o seu coração, tem toda a minha admiração, porque está cumprindo e dando a oportunidade para ele cumprir a sua missão bravamente. E por mais que doa, que rasge o peito, elas estão ali, de pé, firmes. Com uma proteção Divina. De Maria, acredito eu, porque não haveria outra maneira de suportar tanta dor. E dessa convivência, só me resta entender que cada pessoa tem uma história. A sua história para ser vivida. Sou muito agradecida da vida. Agradeço por tudo, até pelos meus problemas, porque é através deles, que eu aprendo coisas e descubro caminhos que não poderia ter pensado se não os tivesse. Meu dia a dia, é levar para terapia, buscar na escola, apaziguar brigas, comprar comidas especiais, trabalhar. E essas mães, só querem levar seu coração pra casa. Mesmo eu estando aqui e elas aí, elas me ensinam todos os dias. Me ensinam a agradecer pela vida, pelas brigas entre meus filhos, pelas birras. Elas me ensinam a ser uma mãe melhor e uma pessoa mais forte na vida. Que o amor divido abrace todas as mães que não estão com o seus corações por perto. E que em breve, no tempo de Deus, um forte abraço desse reencontro aconteça.

3 comentários:

  1. Que coisa linda, Renata.
    É verdade, não deve ser fácil estar longe do prórpio coraçao. Mas, Deus sempre sabe o q faz, mesmo q a gente nao consiga entender...
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Que bom ler sobre você e essa família linda, centrada que sabe celebrar a vida em todos os momentos! Para isso não há dias específicos.
    Bj. Célia.

    ResponderExcluir
  3. Renata, nao pude conter minhas lagrimas ao ler o seu texto lindo e direto. Eu, que estou longe da patria, me senti descrita por voce. Sim, minhas filhas estao aqui, mas minha mae esta ai, entao, o coracao dela esta longe!!! Obrigada pelas lindas palavras. O bom eh saber que, a mae da gente, vive dentro de nos! Beijos

    ResponderExcluir